sexta-feira, 18 de maio de 2018

A (não) rainha do YouTube


Com a proximidade de novo trabalho de Madonna (e talvez por esse motivo) no ar, o canal no YouTube da rainha do pop que infelizmente sempre foi desorganizado e já perdeu muitas visualizações pela retirada de uploads pela Warner, maioria dos vídeos clássicos postados em contas de fãs ou da gravadora ou lugar nenhum, começa a receber uma atualização com clipes que absurdamente não faziam parte de seu canal oficial e outros vídeos promo e remix que só apareceram em formatos físicos há décadas atrás e só fãs sabem que existem. Um membro do forum madonnanation esteve em contato com a pessoa que fazia os novos uploads e pode orientar um pouco, quanto a videos repetidos (como os da era Rebel Heart) e mesmo os thumbnails (frames que aparecem de amostra na tela) com imagens estranhas e até mesmo com cenas do clipe onde ela não aparece e o canal ganhou uma atualização e uma arrumada, ainda que seja pobre e defasado diante do legado que essa artista tem na música pop e comparando-se com outros grandes nomes.

Esses são os últimos uploads:

sexta-feira, 11 de maio de 2018

O novo álbum robusto, confiável e adorável de Madonna


A review original do lançamento do álbum True Blue, na edição de 17 de julho de 1986






De todos os superstars atuais, nenhum manipulou o aparato da fama mais astutamente que Madonna. Como Prince, ela reconheceu a virtude de um nome de uma só palavra e demonstrou a verdade de um velho ditado - o sexo vende. Ela interpretou a moral pública dos Estados Unidos como um virtuoso, indo de estrelinha a putona a garota má com um coração de ouro para uma nova mulher honesta.

Os cínicos e idealistas podem concordar: uma conquista perfeita requer quantidades incríveis de sorte e inteligência. Uma boneca de boa aparência que junta grande ambição e senso de mercado em um álbum de dança lowbrow que se torna um sucesso internacional. Ela completa a transição da diva do gênero para o sonho molhado da mídia de massa, brandindo uma fivela de brinquedo de menino sob o umbigo exposto (para que todas as meninas do convento admirem e feministas detestem), depois vira uma demonstração de humor e coragem. Mas a marcha de Madonna a leva à beira da superexposição.

Então, sai a Penthouse e a Playboy se espalha. Como é que alguns portfólios de quatro anos chegam às mãos de duas publicações ferozmente competitivas no mesmo momento ideal para Madonna? Se não é uma punição, então Deus claramente gosta de garotas católicas ruins. E o que poderia ser melhor? Que esta consumação do amor de banheiro dos meninos deve ser seguida imediatamente pela purificação ritual no altar do amor real. Madonna se casa com Sean Penn e finalmente atinge o saco matrimonial.

E ela fez tudo em menos tempo do que levou Ronald Reagan a enviar milhões abaixo da linha da pobreza. Como Jimmy Cagney, a quem ela dedica "White Heat", Madonna é uma punk adorável: cínica, inteligente, funky, sexy, fundamentalmente idealista, indestrutivelmente respeitosa. Como Cagney, ela é um ícone nacional - mas primeiro e sempre, um santo padroeiro da escola paroquial americana.

É para o prokie (um estrato menos divulgado, mas ainda mais populoso que yuppie ou preppie) que o True Blue é escrito. Cantando melhor que nunca, Madonna sustenta sua reivindicação como poeta pop da América de classe média baixa. Em "Where's the Party", ela apresenta um manifesto conciso para as aulas: "Mal posso esperar para envelhecer / Pensei que teria me divertido muito / Acho que sou um dos adultos / Agora eu tenho que fazer o trabalho. " Mas Madonna não está triste com suas responsabilidades.
Cheia de azáfama da imigração, ela vai "encontrar um jeito de fazer os bons tempos durarem". Em "Jimmy Jimmy", ela ri de seu namorado sem fôlego: "Você diz que vai ser o rei de Las Vegas ... Você é apenas um garoto que vem de lugares ruins". Mas é uma risada amorosa - e, surpresa, Jimmy realmente sai para uma vida melhor. A história termina com tristeza, mas a música é tão feliz que não podemos duvidar do orgulho de Madonna em seu cara ou que ela vai encontrar um caminho a seguir.

Em "Love Makes the World Go Round", o hino mais feliz para essa era de elevação, Madonna marca pelo menos tantos pontos quanto "We Are the World" com frases como "É fácil esquecer / Se você não ouvir o som / De dor e preconceito / O amor faz o mundo girar "e" Somos todos tão rápidos em desviar o olhar / Porque é a coisa mais fácil a fazer. "

Produzido por Madonna com Pat Leonard e Stephen Bray, o som de True Blue é mais um movimento sagaz. Armado com o sucesso de "Into the Groove" (uma demo irretocada de oito faixas de Bray e Madonna que simboliza a perfeição dance-pop), M. resistiu a qualquer tentação de alcançar o tipo de produção que Nile Rodgers realizou em Like a Virgin. Em vez disso, temos um registro limpo e acessível, montado por uma cantora e compositores para mostrar material e performances. E (com exceção do "Both Sides Now", reescrito como "Live to Tell"), é "realmente azul" para as raízes disco de Madonna.

Se há um problema com o testamento de Madonna, é a falta de músicas excelentes. Apenas a magnífica "Papa Don't Preach" - "Billie Jean" de Madonna - tem um gancho de alto perfil para combinar com "Like a Virgin", "Dress Up" e "Material Girl". Não coincidentemente, todos os itens acima foram escritos por colaboradores externos. "White Heat", "Jimmy Jimmy" e "World Go Round" são excelentes dentro de suas aspirações e facilmente comparáveis a "Angel" e "Holiday" (apesar de não serem "Into the Groove" ou "Lucky Star"). Mas nenhuma tem a sensação de um evento pop. "Party" começa bem, mas não acende, e "True Blue", um cruzamento entre "Heaven Must Have Sent You" e "Chapel of Love", desperdiça uma batida clássica e um título imensamente promissor.

Em termos comerciais, isso pode não importar. "Live to Tell" bateu o número um no ímpeto da carreira, e "Papa don't Preach" é grande o suficiente para levar vários dos contendores sólidos de True Blue para casa. Em um duplo sentido inteligente, M. - não mais como uma virgem - implora a aprovação do pai para a decisão de manter um feto. Dada a conscienciosidade e ambição de Madonna, não é provável que a escassez de "recordes pra carreira" da True Blue fosse intencional. Mas a integridade e a liberdade da busca de atenção podem se tornar mais um ótimo momento em uma carreira notável.

O novo álbum robusto, confiável e adorável de Madonna permanece fiel ao seu passado enquanto descaradamente se eleva acima dele. True Blue pode gerar menos vendas e menos atenção do que Like a Virgin, mas a coloca como artista a longo prazo. E como qualquer outro movimento inteligente desta melhor de todas as possíveis pop madonnas, parece que vem do coração.



quarta-feira, 9 de maio de 2018

terça-feira, 8 de maio de 2018

A new Beautiful Game


Madonna DOMINOU o MET Gala 2018. O tema era dela. Ela aproveitou pra fazer seu (mais um) comeback cantando Like a Prayer, Hallelluiah e uma nova música provavelmente chamada Beautiful Game em uma apresentação como nunca feita neste evento.



















segunda-feira, 7 de maio de 2018

MET Gala: Heavenly Body


Mais um ano de Madonna no famoso baile do Metropolitan Museum, o MET Ball. Com um tema nesse ano voltado à igreja/religião na moda, claro que Madonna estaria lá. Depois de alguns teases no instagram que já deixaram todo mundo pop e fashion desesperado (ela é relevante, lembra?), finalmente chegou a noite:





395e244a906014980.gif 





















































Teve tease no instagram no dia anterior:  





E horas antes: